“Barba, Cabelo e Bigode” chega repleto de representatividade

As pesquisas sobre cabelo afro aumentam incríveis 309%, segundo o Google. Relativamente às produções visuais com representatividade!

Recentemente, estreou o filme “Barba, Cabelo e Bigode” no catálogo da gigante do streaming, Netflix. A comédia, em poucos dias, marca a plataforma, trazendo uma narrativa importante e necessária sobre a valorização do cabelo afro.

Leia mais: Elvis mostra um pouco da trajetória dos pioneiros negros do rock 

O enredo propõe, de forma leve e descontraída, contar a vida de um rapaz periférico, que enfrenta dilemas da vida após o término dos estudos. Richardsson, interpretado pelo ex-bbb Lucas Penteado, é um rapaz negro que vai ajudar sua mãe no salão que mantém no bairro da Penha, no Rio de Janeiro.

Sob a direção de Rodrigo França, que também é um ex-bbb, o longa conta com a participação de um elenco repleto de representatividade:

Juliana Alves, Solange Couto, Serjão Loroza e MV Bill, MC Carol, Yuri Marçal, MC Rebecca, Jeniffer Dias, Leandro Santanna, Nando Cunha,Neuza Borges, Xando Graça, Luana Xavier e Bruno Jablonski.

Leticia Prisco assina a co-direção do filme, que é roteirizado por Anderson França, Marcelo Andrade e Silvio Guindane.

A comédia é uma importante produção para os movimentos pretos e para a representatividade negra em produções cinematográficas. O enredo, que discute o cabelo afro, é um importante conquista para jovens na mesma condição

O cabelo é um código enorme que nós temos quando você fala de periferia, subúrbio e negritude. Ele que tantas vezes foi preterido, modificado. Trazer isso é um elemento de força, de poder“, explica o diretor.

A gente trabalha com signos e símbolos. Falar sobre narrativas a partir de construções de sujeitos, valores sociais difundidos no cinema, na novela. Se eu coloco, num filme, que um determinado cabelo é bonito, tem milhares de pessoas que vão acreditar nisso” afirma Rodrigo sobre a produção.

você pode gostar também
Comentários